Retornável e com bom custo benefício, mas será que emplaca?

by

Antes de começar este post, é necessária uma breve explicação sobre o “organograma” deste blog.

Gabriel e Davi são os caras com embasamento, formação e experiência profissional para falar com propriedade sobre assuntos mercadológicos.

Eu sou o contraponto leigo, e procuro trazer o ponto de vista do consumidor. Um palpiteiro, se preferir. Portanto, assim como meus outros textos, este é, no máximo, um palpite treinado.

Agora, falemos de cerveja.

A Skol vai muito bem, obrigado. Dá show no Top of Mind e no Superbrands, lidera o mercado com cerca de um quarto das vendas. E conseguiu isto indo na contramão da concorrência – enquanto outras marcas tentam se fixar reforçando sua superioridade (vide “A número 1”, “A cerveja sem comparação”), a Skol conseguiu emplacar um slogan simpático, e em conversas casuais ouve-se que isto ou aquilo “desceu redondo”.

Mas o fato é que ontem, enquanto preparava o jantar, eu ouvi minha mãe comentar: “Nossa, a Skol tá fazendo muita propaganda dessa garrafa de 1 litro, né? Acho que não estão vendendo. E ela é até mais em conta…”. Não havia reparado (e nem sei se é fato), mas de qualquer forma, acho que esta, definitivamente, não vai descer redondo.

Na ausência de dados consistentes (o produto é novo, talvez seja por isso), fui consultar 3 partes envolvidas: um dono de boteco, a caixa do supermercado e um amigo fã das fermentadas.

O dono do bar, ao ser questionado sobre a disponibilidade do referido formato, foi categórico: “Tem não”. Talvez faça mais sucesso com o cara que compra a cerveja pra beber em casa, pensei.

Mas o amigo cervejeiro disse que, “não sabe porque”, não costuma levar a de um litro.

A caixa do supermercado me confirmou que “o que sai mesmo é latinha, moço. Essa grandona aí, pouca gente leva”.

Uma coisa, sem dúvida, me motivaria a optar pela “grandona”, o fato de ela ser, em tese, retornável – ponto positivo para a sustentabilidade. Pena que, nos três pontos de venda a que fui, o vasilhame foi rejeitado. Lixo.

A Skol tem uma tradição de pioneirismo: foi a primeira a utilizar as apresentações long neck, latinha de alumínio, “latão”, a primeira a ter indicador de “geladez”, etc. A inspiração para a tentativa talvez tenha vindo de outras marcas do grupo – a argentina Quilmes e as uruguaias Patricia e Norteña fazem grande sucesso em seus países de origem. E acho que exatamente aí podemos achar uma das respostas. Observando o líquido consumido nos cafés de Buenos Aires ou nos restaurantes praianos de Colonia del Sacramento, vê-se rodas de amigos conversando animadamente em torno de uma mesa, segurando copos de cerveja… morna. Me surpreendi quando, ao pedir uma cerveja no balcão de um bar em El Calafate, ouvi o atendente gritar para o garçom: “Una Quilmes – pero de la nevera de los brasileños”. Curioso, fui perguntar a razão de haver uma geladeira só pra nós (Veneno? Aguinha do Maradona?), ao que o bonachão argentino me respondeu com um sorriso sacana: “La toman a puro hielo, che”.

É verdade.

A Skol de um litro é trambolhuda, atravanca a geladeira, é difícil de manusear, dá um medo danado de derrubar sobre a porção de codorna à milanesa, mas o principal problema é simples: é difícil gelar – e manter gelados até o fim – mil mililitros de cerveja. O sucesso da redondinha (outra inovação do fabricante, 269 ml guardados numa latinha fininha, que gela bem rápido) talvez aponte que, do lado de cá da tríplice fronteira, menos é mais…

Anúncios

Tags: , ,

2 Respostas to “Retornável e com bom custo benefício, mas será que emplaca?”

  1. Marcio Vieira Says:

    Ilustres, acerca do popular “litrão”, analisei: por ter tido a oportunidade de conhecer outros países, as cervejas em cada lugar são oferecidas dentro de um contexto local, observando-se vários aspectos os quais vale ressaltar um: o clima.

    A cerveja no Brasil foi popularizada nas garrafas de 600ml pelo simples motivo: aqui faz calor e ninguém gosta de beber cerveja quente, por isso oferecem numa quantidade que duas ou três pessoas (dependendo da intimidade, até uma apenas) bebam a cerveja em alguns minutos, evitando o aquecimento dela.

    Na Europa é comum garrafas de um litro ou mais, barris de lata de 5 litros, etc, e também copos volumosos, para até mais de meio litro. Só que lá, por razão do clima frio e o teor alcóolico mais elevado da bebida, há uma certa cerimônia para apreciação, onde não há “garganta seca” com o calor escaldante implorando pela cerveja.

    Já para o Brasil, o lançamento da garrafa de um litro é puro marketing, no entanto, ajudará em seu efeito cascata, diversas indústrias, como a de caixas de engradados, “camisinhas” de cerveja, moldes de esteiras de engarrafadoras, etc.

    Todavia, ressalta-se que o consumo da bebida não aumentará em virtude de uma garrafa diferenciada, e as empresas que se mantiverem com o padrão 600ml deverão ter algum prejuízo, nada determinante.

    Enfim, para resumir, entendo que o litrão é um veículo para publicidade explorar a “economia” da garrafa maior, surfar a onda da “novidade” e instigar consumidores, mas que não deverá mudar os hábitos brasileiros que perduram por décadas.

  2. Fe.Kotuja Says:

    O custo-benefício em relação à tradicional embalagem de 600 ml – que fica, no mínimo, 10% mais barata, a capilaridade aumenta, o assunto da tal Responsabilidade Social valoriza, a cultura do brasileiro de dividir o líquido com os amigos consolida.
    Mais é maior quantindade, mais é fartura!!! Assim como os brasileiros gostam, de mesas fartas! (com a percepção de custo/benefício, claro). E “os hábitos brasileiros que perduram por décadas” é verdade, mas é melhor pendurar 1,2 ou 3 “litrão”, do que 48564789546324 mil latinhas não?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: